HOTMART

Lomadee

TRADUTOR

terça-feira, 1 de maio de 2012

Os Texugos do Mundo: nove espécies, um nome

O termo “Texugo” designa diversas espécies semelhantes, que vivem em habitats tão distintos como os desertos da América do Norte, as savanas africanas, as florestas temperadas europeias e as florestas tropicais do Sudeste Asiático.

A designação “texugo” é usada para denominar uma variedade de predadores da Família Mustelidae, que habitam quatro continentes: Ásia, Europa, América e África. No mundo existem nove espécies diferentes de texugos (oito pertencem à sub-família Melinae, que são considerados os “verdadeiros” texugos, e uma à sub-família Mellivorinae). Apesar da sua aparência ser por vezes muito diferente, estes carnívoros apresentam similaridades estruturais, comportamentais e ecológicas. Os texugos são mamíferos de tamanho médio, com um corpo entroncado, uma cabeça pequena e um pescoço reduzido e espesso. A cauda é em geral curta e o focinho é alongado. Numerosas espécies cavam uma elaborada rede de tocas, utilizando as patas da frente, que possuem garras não retrácteis relativamente bem desenvolvidas. Estas tocas, além de lhes fornecerem segurança, protegem-nos do frio durante os Invernos longos, especialmente aos que habitam zonas mais setentrionais. A maior parte das espécies são nocturnas e a sua visão é portanto relativamente fraca, sendo os olhos reduzidos e pouco visíveis. Pelo contrário, o olfacto está bem desenvolvido. Tal como em todos os mustelídeos, as glândulas anais são bem desenvolvidas e produzem secreções de odor intenso, que servem como veículo de comunicação olfactiva.

Meles meles
O registo fóssil indicia que este grupo de mustelídeos evoluiu a partir de ancestrais semelhantes a martas e fuinhas (Gén. Martes), que no Terciário (há 65 – 2 milhões de anos) diferenciaram-se, apresentando uma evolução na dentição em direcção à omnivoria (importância crescente dos dentes tuberculados atrás das mandíbulas e redução dos dentes carniceiros cortantes). No começo do Pleistocénico (a partir de 1,8 milhões de anos) a Europa assistiu ao aparecimento de texugos semelhantes às espécies actuais, vindos da Ásia, havendo numerosos restos fósseis de animais deste período (e.g. Meles thorali).
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Nenhum comentário:

Postar um comentário